Centro de Check-UP cardiovascular

ANGIO COR Curitiba serviços médicos

Dr. Carlos Seme Nejm Júnior
CRM: 21507-PR - RQE 2642

(41) 3342-6000

(41) 99229-2299

Agende sua consulta!

A ANGIO COR Curitiba realiza tratamento estético de varizes e varicosidades (convencional e com espuma), cirurgia de varizes convencional e cirurgia de varizes a laser utilizando técnica EVLT (Laser endovascular), inclusive sendo este assunto, o tema da tese de doutorado do Dr. Carlos Seme Nejm Jr.

Angiologia & Cirurgia vascular

Qual a relação das artérias carótidas (do pescoço) com a insuficiência vascular cerebral ou acidente vascular cerebral ?

As artérias carótidas são responsáveis pelo suprimento sanguíneo cerebral, e, quando acometidas por uma placa aterosclerótica ("placa de gordura"), podem determinar manifestações de isquemia cerebral, seja pela liberação de coágulos (embolia), seja pela obstrução completa (trombose).

Imagem (AVC)

Qual a importância do acidente vascular cerebral (AVC) ?

A mortalidade por Acidente Vascular Cerebral (AVC) constitui a terceira principal causa de morte nos EUA, tendo sido responsável por 1 em cada 15 óbitos em 1992. Estima-se que ocorram 500.000 novos casos de Acidente Vascular Cerebral (AVC) por ano, nos EUA. Destes, cerca de 2/3 são causados por doença oclusiva das artérias carótidas.

Além da mortalidade, é substancial a morbidade (seqüelas) em mais de 3 milhões de sobreviventes vítimas de acidente vascular cerebral.

Quais as manifestações clinicas do acidente vascular cerebral (AVC) ?

O quadro clínico dependerá da localização da isquemia (falta de oxigenação) e do tempo de duração, podendo se manifestar com perturbações visuais, paralisias transitórias e desmaios na evolução crônica ou o derrame (acidente vascular cerebral) na evolução aguda.

Pacientes assintomáticos: São pacientes que não apresentam sintomas de isquemia, porém têm identificada obstrução por placas de ateroma ao nível da(s) carótida(s) pela presença de sopro ou por achado através de Ultra-Sonografia Vascular. Constituem o grupo em que a indicação de cirurgia é mais difícil, e deve ser bem precisa.

Ataques isquêmicos transitórios (AIT): As manifestações transitórias de isquemia cerebral podem ser perda temporária da visão, ou perda de sensibilidade, força muscular no lado oposto à carótida comprometida com recuperação nas primeiras 24 horas. Os AITs devem ser entendidos como uma "ameaça de derrame", e constituem o grupo mais beneficiado com o tratamento cirúrgico.

Acidente vascular encefálico (AVC): Pacientes que têm um derrame cerebral estabelecido, mas apresentam recuperação parcial e são portadores de placa aterosclerótica na carótida correspondente, também são bons candidatos à cirurgia, embora os riscos sejam ligeiramente maiores. Na verdade, o risco de recorrência de AVC (novo derrame cerebral) neste grupo chega a 20%, o que pode ser evitado com cirurgia.

Imagem (AVC)
Imagem (AVC)
Imagem (AVC)
Imagem (AVC)

Quais exames podem ser utilizados para diagnóstico do (AVC) ?

A Ultra-Sonografia Vascular é reconhecidamente o mais importante exame para identificar os candidatos à cirurgia, por ser não-invasivo (indolor e sem riscos para o paciente) e por demonstrar com precisão o grau de estenose (estreitamento) que a placa de ateroma determina, e também as características da placa (mole ou dura).

Imagem (exame diagnóstico de AVC)

Quando a cirurgia for considerada, pode ser feito em casos selecionados um exame de imagem mais objetivo, como a arteriografia cerebral (cateterismo), ou a ressonância magnética nuclear.

Imagem (exame diagnóstico de AVC - angiografia carótida)

Quais as indicações para o tratamento cirúrgico ?

O tratamento cirúrgico recebe a denominação de endarterectomia da artéria carótida e consiste na abertura da artéria carótida do pescoço e posterior retirada da placa aterosclerótica ("placa de gordura"). Está indicada nas seguintes situações:

Pacientes assintomáticos (sem sintomas): O tratamento cirúrgico está indicado quando a placa de ateroma determina uma estenose igual ou superior a 60%, e a experiência do grupo cirúrgico garantir uma incidência de AVC peri-operatório (nos períodos entre a cirurgia e a recuperação cirúrgica) inferior a 3%. Esta é uma recomendação da Associação Americana de Cardiologia, e perfeitamente aplicável na nossa realidade.

Pacientes sintomáticos (AIT ou AVC): Existe consenso mundial na indicação em pacientes com sintomas, o qual foi estabelecido nos últimos 5 anos com base em dois grandes estudos, um europeu (ECST) e outro americano (NASCET):

Estenose igual ou superior a 70%.

Estenose entre 50% e 69%, desde que o risco de AVC peri-operatório (nos períodos entre a cirurgia e a recuperação cirúrgica) seja inferior a 3%.

Também constituem indicações aceitáveis neste grupo: estenose de 50% com oclusão da carótida contra-lateral, placas ateromatosas com ulceração, e pacientes candidatos à cirurgia de coronárias que também apresentem estenose carotídea.

Cirurgia aberta

Durante a cirurgia, o cirurgião vascular remove a placa que está estenosando a artéria carótida. O procedimento é chamado endarterectomia de carótida e pode ser executado usando anestesia local ou anestesia geral, dependendo da situação particular. Uma vez anestesiado, o cirurgião vascular faz uma incisão em seu pescoço e então remove a placa contida na camada interna de sua artéria carótida. Este procedimento é seguro e tem bons resultados quando feito por um cirurgião vascular qualificado e experiente.

Angioplastia de Stent. de carótidas

É um procedimento minimamente invasivo recentemente desenvolvido para tratar doença de artéria carótida. Geralmente é executado com anestesia local. Para executar este procedimento, o médico cirurgião vascular insere um cateter por um pequeno furo em cima de uma artéria de virilha e guia o mesmo por seus vasos sanguíneos até sua artéria carótida. O cateter leva um balão minúsculo que é insuflado enquanto empurra a placa contra as paredes da artéria. Logo, o médico coloca um tubo de metal minúsculo chamado stent na artéria para mantê-la aberta. Sua permanência de hospital depois de angioplastia e stent é aproximadamente igual a com endarterectomia. Angioplastia e Stent de carótida é atualmente controverso porque resultados conclusivos, a longo prazo não são disponíveis. Não obstante, para pacientes que têm condições médicas que aumentam o risco de endarterectomia da carótida (cirurgia aberta), angioplastia e stent podem ser uma boa alternativa.

video: Angioplastia

Imagem (Stent. de carótidas)
Imagem (Stent)
Imagem (Stent)

Destaques

Varizes

Pequenos filamentos arroxeados ou vasos grossos e sinuosos claramente visíveis na pele: assim são os vasinhos e varizes.

Varizes

Os vasinhos (telangiectasias) ficam nas camadas da pele e têm no máximo 1 milímetro de diâmetro, já as varizes têm diâmetro superior e estão localizadas embaixo da pele.

Cirurgia e Microcirurgia de varizes

A cirurgia de varizes é um procedimento realizado em Hospital para portadores de varizes de médio e grosso calibre.

Cirurgia e Microcirurgia de varizes

A cirurgia de varizes irá tratar as veias aparentes e suas causas. Assim serão retiradas as safenas se estiverem doentes (safenectomia), as colaterais, as perfurantes, as veias reticulares.

Cirurgia de varizes a laser

A cirurgia de varizes a laser está rapidamente se tornando o padrão-ouro no tratamento de varizes.

Cirurgia de varizes a laser

O procedimento a laser para varizes é minimamente invasivo e não requer anestesia geral. A cirurgia de varizes a laser pode ser realizada em procedimentos selecionados com anestesia local ou regional.

Exames vasculares

Os exames de imagem, permitem avaliar a qualidade dos vasos e do fluxo sanguíneo que por eles percorre.

Exames vasculares

Tanto as artérias (vasos que levam o sangue rico em oxigênio do coração para o corpo), quanto as veias (vasos que levam o sangue utilizado pelo corpo de volta ao coração) devem ser avaliadas.

Tratamento de varizes com espuma

O tratamento das varizes com espuma é uma opção à realização de cirurgia, o uso de esclerosantes em forma de espuma tem se popularizado nos últimos anos.

Tratamento de varizes com espuma

Evidências atuais sobre o tratamento de varizes com espuma ecoguiada sugere que o método é eficaz no curto e médio prazos. Estudos têm demonstrado que o tratamento é bem sucedido em cerca de 67-94% de pacientes depois de 3 meses a 10 anos de seguimento.

Tratamento de varizes a laser

O Laser pode ser usado para tratar quase todos os estágios de varizes, desde o tratamento de vasinhos (telangiectasias) até para a ablação da veia safena.

Tratamento de varizes a laser

O tratamento de varizes a laser tem como vantagens ser pouco invasivo (não usa agulhas), ser desprovido de reações alérgicas (não há injeção de medicamentos), induzir menor reação inflamatória cutânea e causar menor risco de manchas hipercrômicas (escuras) na pele.

Escleroterapia

Na escleroterapia, os "vasinhos" são tratados com a aplicação de medicamentos esclerosantes nas veias alteradas, obstruindo o fluxo sanguineo.

Escleroterapia

A escleroterapia, conhecida por muitos como "aplicação", é um tratamento destinado à eliminação das telangiectasias (vasinhos), que se encontram na parte mais superficial da pele. Um líquido esclerosante, é injetado através de microagulhas, que são extremamente finas, dentro do vasinho.

Escleroterapia com espuma

O novo método acompanha o advento da espuma esclerosante e do ecodoppler, ambos contribuindo para melhor diagnóstico e controle da doença.

Escleroterapia com espuma

A Escleroterapia com espuma na insuficiência venosa crônica dos membros inferiores surgiu na Europa, há 20 anos. O tratamento com espuma, gradativamente se firmou como método tão bom ou até melhor que a cirurgia de varizes convencional para o tratamento e controle das varizes.

Importante:

As informações contidas neste site têm caráter informativo e educacional. De nenhuma forma devem ser utilizadas para auto-diagnóstico, auto-tratamento e auto-medicação. Quando houver dúvidas, um médico deverá ser consultado. Somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA.

Responsável Técnico: Dr.Carlos Seme Nejm Júnior - CRM: 21507-PR - RQE 2642

Desenvolvido por: Paulo Henrique